Duas jornadas a "tirar sargos da cartola"

De facto continua dificil apanhar sargos este ano. Muito pilado ao largo, águas muito abertas ou muito verdes/castanhas, limo por todo o lado e ainda por cima sargos arredios e sem vontade de encostar de vez.
O que é um facto é que há sargos, não são muitos é certo mas há e portanto com mais dificuldade do que tem sido habitual nos ultimos anos temos que sofrer bastante mais para conseguir umas capturas.
Levar diversidade de iscos, um bom engodo e "dar ao chinelo" de pesqueiro em pesqueiro podem salvar o dia e proporcionar algumas capturas. Se o ano passado era chegar ver e vencer e muitas vezes sem sair do mesmo pesqueiro se conseguiam fazer tecas de luxo e no dia seguinte igual e por aí em diante este ano nada disso parece ser verdade. Hoje podemos fazer meia duzia de capturas num pesqueiro e amanhã uma valente grade só porque sim.
O que vos vou relatar aqui são duas jornadas em que em locais que costumam ser fortes e regulares este ano são fracos e irregulares chegando mesmo a ser completamente contraditórias com aquilo que é normal.

Comecemos por falar destas contradições.
Normalmente e isso em alguns lados até se tornou um ditado, mar grande peixe grande e mar pequeno pequeno. É claro que não é nem nunca foi assim mas o que é um facto é que com mar grande e mexidão a probabilidade de os sargos velhos sairem do buraco para se alimentar mais à vontade aumentam e isso está mais que comprovado. Em dias de mar manso, águas mais abertas o sargo velho normalmente tem mais dificuldade em se mostrar e sair do buraco tendo estes dias mais tendência a dar peixe pequeno (mas nem sempre claro).

Na primeira jornada as condições que encontrei foi de ceu limpo, mar de 1.3m, maré de 2.8 de amplitude e águas muito abertas. Esperava eu que neste dia as capturas fossem escassas ou nulas e que a aparecerem fossem de exemplares pouco interessantes. Como já tinha estado num outro local onde com meio balde de engodo tive apenas um toque de uma sargueta que devolvi acabei por ir experimentar este local que pouco fazia brilhar os olhos mas que acabou por ser uma aposta ganha para os dias que correm. Bem encostada no pesqueiro existe uma formação rochosa que é furada por baixo e isto só sabe quem vai observar os pesqueiros à maré vazia para captar locais de possível alimentação dos sargos e depois vai explorar se realmente se comprova aquilo que se pensou quando se observou. Apenas com um fundo de balde de engodo e maia duzia de gambas consegui em cerca de 20 minutos 3 capturas muitos razoáveis que incuiram o maior exemplar deste ano com 1.600g e ainda 2 outros peixes deste lote que acabaram por desferrar já que não podia forçar os sargos que estavam debaixo da pedra pois isso faria partir muito facilmente o estralho nos pervebes, lapas e mexilhão que cobre as pedras. Acabou o engodo e não sei se foi por isso ou por realmente estar pouco peixe no buraco ou mesmo ter "abalado" o cardume com os dois sargos que desferrei e ter queimado o pesqueiro mas isso pode acontecer e é inevitável. Depois foram mais 2 horas à caça por cima dos cabeços e isso rendeu mais 4 capturas bastante razoáveis e estava consumada uma jornada agradável para os dias que correm.

Uns explares razoáveis e o melhor deste ano com 1.6kg


Na segunda jornada que foi ontem encontrei um dia de vento forte com rajadas na ordem dos 40km/h, mar de enchio com 2.2m e vagas de enchio com cerca de 2.5/3 relativamente espaçadas e com bastante força quer por cima quer por baixo. As águas com bastante limo e cor esverdeada acastanhada também não prometiam grande coisa. Maré de lua nesta fase também não costuma ser muito forte em termos atividade do peixe e portanto importante seria mesmo apanhar um bom dia junto ao mar. Seria uma jornada rápida já que não estou de férias e existem horários de trabalho a cumprir e os "timings" são para ser cumpridos à risca.
Levei para esta jornada um balde de sardinha com cerca de 2.5kg na eventualidade de achar que se tinha que engodar, varios iscos como sardinha, gamba, batata e perceve. Pensei: "bem neste caso com um marzão destes e aparecer será peixe grande". Nada mais errado, comecei por bater varias zonas e nem um toque. Como conheço bem os fundos na zona e costumo sentir peixe específicamente num pequeno canal em dias de mar mais calmo em que o peixe encosta pensei fazer o mesmo mas com muita dificuldade pela brutidade da ondulação e do vento. Nestas ocasiões há que pensar e fazer montagem do nosso pião à imagem daquilo que pretendemos. Bóia pesada montagem para mar bruto e engodagem "massuda" e depois aquilo que considero "jogar à bola dentro de uma cabine telefónica" em que o isco tem que passar exatamente naquele local. O engodo também tem que ser lançado em local que o faça passar lá nem que para isso tenhamos que largar a cana e ir engodar 4 ou 5 metros ao lado de onde estamos a pescar. Achei piada a uns pescadores de fundo que estavam lá perto e me diziam "epá você chega ao fim do dia nem sente as pernas!!" mas o que tem que ser tem que ser. Já tinha estado um pouco à conversa com eles (um abraço pois já sei que são seguidores aqui do blog) e me disseram que não havia por lá nenhum sargo que o local andava seco à uns meses, felizmente tive a sorte de ontem não ter estado ;)). Depois foi por em prática aquilo que tinha em mente e mesmo com condições de vento e mar a jogar claramente contra mim ainda consegui mais de 20 capturas de sargo mas mais de metade palmeiros de 300g que apesar de terem medida obviamente foram devolvidos tendo apenas guardado 11 sargos na casa das 400 a 700g. Deu muito trabalhinho realizar estas capturas que considero completamente "tirar sargos da cartola" pois bastava meio metro para trás, frente, direita ou esquerda nem um toque se sentia.

Uma foto para recordar a jornada já com o material e o peixinho lavado


Para terminar o que posso dizer é que andam difíceis não são muitos mas com um bocado de paciência e esforço lá se vai matando o vício.

Cumprimentos
Sérgio Tente
Classificação:

8 Fazer comentário:

Anónimo disse...

Boa noite e uma vez mais um relato elucidativo do que se està a passar este ano a esta linda pesca que è a dos sargos.Penso que em setembro se vai começar a fazer boas pescarias a eles ,vamos ver.Um abraço e boa continuaçao

Ramón Montenegro disse...

Bonitas pescas Sérgio, enhorabuena y un saludo, amigo.

joaosantana disse...

Boas Sérgio, aqui para Sines também não esta fácil, muito pouco peixe e pequeno, mesmo assim sairam uns sargos jeitosos, muitos parabéns,vale a experiência, um abraço.

Sérgio Tente disse...

Boas "Anónimo"

Obrigado pelo comentário.
Pode ser que até ao fim do ano ainda possa acontecer alguma coisa de interessante. A ver vamos

Sérgio Tente disse...

Olá Rámon,

Obrigado. Isto por aqui anda muito dificil.

Grande abraço

Sérgio Tente disse...

Boas João,

Este ano as minhas idas a Sines também foram bastante fracas em termos de capturas. Estive aí nos melhores meses e com mares lindos e meia duzia de sargos.

Abraço

Pedro Franco disse...

Boas Sérgio,
Parece que o mal é geral, pode ser que com a mudança de estação(setembro e outubro) eles dêem um ar de sua graça e possamos apanhar alguns jeitosos e em quantidades.
De qualquer das formas foram 2 boas pescarias.
Abraços e grandes lances

Sérgio Tente disse...

Boas Pedr,

Esperemos que sim e que eles nos deem umas alegrias.

Grande abraço