Mitos da engodagem

Boas, todos nós ouvimos histórias de como se "queimam pesqueiros", ora seja com engodo de Sardinha, Ouriço ou outro, quando me contam estas histórias pergunto porquê, e ou não sabem responder porque lhes foi ensinado por alguém que antes tinha sido ensinado por outro, ou simplesmente dão respostas que não concordo em absoluto.
Não sou muito de ouvir e ficar por aí, se alguém me diz que engodar com Ouriço 2 dias seguidos escalda o pesqueiro, sinto vontade de provar o contrário ou perceber o porquê destas afirmações.
Até pode ser, que o Ouriço tenha alguma substancia tóxica na sua composição e que os peixes se alimentem em pequenas quantidades de cada vez.
Mas não vou muito por esta teoria, quase todos os Sargos que amanho têm pontas de espinho de ouriço no bucho.

Como qualquer ser vivo os peixes fixam-se e criam o seu habitat ora seja em buracos, fendas, grutas...em determinados locais e em determinadas alturas do ano.
Ora se hoje vou à pesca a um determinado pesqueiro e capturo por ex. 15 Sargos, quer isto dizer que no dia seguinte estes 15 já lá não estão.
Se lá fôr alguns dias seguidos o normal será uma diminuição lógica das capturas, seja com ou sem engodo, a não ser que tenha encostado e fixado um cardume com algumas centenas de Peixes.
O mesmo se passa com as Sardinhas....ainda há poucos anos atrás numa praia de Peniche desaguava um esgoto duma instalação fabril de conservas.
Nesta praia as capturas eram em nº elevado de Sargos, Robalos e até Douradas, e todos os dias havia restos de sardinha pelo pequeno areal.
Os peixes vinham gordos, nunca me pareceu que tivessem enjoado tal manjar.
Já-me aconteceu em algumas situações de pesqueiros altos ver os peixes a mariscar na rocha, deito uma colher de engodo e rapidamente desaparecem.....mas será por ser do engodo?
Também não me parece, se tive-se deitado uma pedra a reacção teria sido idêntica.
O mundo subaquático é totalmente diferente no nosso, e ainda temos muito a aprender para compreendermos melhor as reacções dos peixes.
Por isso prefiro pensar que não é o engodo a desculpa para uma má pesca.

Este tema é sem dúvida um dos que mais polémicas levanta entre a nossa comunidade, "cada cabeça sua sentença" e cada um de nós terá a sua forma própria de pensar a respeito dele.
Até que me mostrem provas em contrário eu não sou apologista "dos pesqueiros queimados" pelo uso de engodo.
Se alguém quiser discutir este tema será uma mais valia enriquecedora para todos.

Abraço
Classificação:

6 Fazer comentário:

Sargollini disse...

Excelente este tópico !!!

Eu geralmente nesta altura do ano, engódo sempre com Ouriço/Sardinha e muitas das vezes faço o mesmo pesqueiro 2 ou 3 dias seguidos e também cheguei à mesma conclusão que tu. Não noto que o pesqueiro esteja escaldado e nem sequer o nº de capturas desçe significativamente mas, acredito que se o mesmo pesqueiro for constantemente engodado(mais que 3 dias seguidos), os peixes enchem a barriga de engodo e fiquem mais dificeis mas não vão embora (muito pelo contrário) acho até que existe mais probabilidades de entrar peixe maior em busca do engodo e não peguem nas iscas....talvez seja por isso que o pessoal diz que os pesqueiros estão escaldados (por não conseguirem enganar o peixe).

Forte abraço
Sérgio

José Germano disse...

Boas,

É de facto um assunto interessante. Tenho mais ou menos a vossa opinião.

Apesar de ser um ambiente diferente, nas barragens havia quem diáriamente engodasse fortemente um pesqueiro 2 e 3 dias antes para depois ir lá tentar as carpas grandes e elas saíam. O pesqueiro não escaldou...

Abraço

Pedro batalha disse...

Olá Sérgio e José germano, sim não tenho dúvidas de que é um assunto "delicado" para se tratar e a prova disso é que poucos são os que assumem as suas convicções com alguma certeza.
É daqueles que os argumentos de uns e outros podem dar que pensar.
É um assunto que irei publicar em foruns de pesca, para uma discussão mais acesa e dinâmica.
Abraço e obrigado pelo vosso contributo.

Rui Barroso disse...

Pedro.

Também estou de acordo com vocês. O que escalda o pesqueiro é ir constantemente para lá e engodar. O peixe fica desconfiado pois sempre que o engodo entra alguns da sua espécie acabam por desaparecer preso num anzol. O peixe começa a ficar desconfiado e deixa de pegar tão bem.

Sargus disse...

É um assunto mais ou menos relativo atendendo a alguns factores, se bem que o peixe não tem a noção de barriga cheia:

- Tipo de engodo (sardinhas) se são frescas ou da "moira", pelo que já ouvi a moira "queima" o pesqueiro, ouriço queima o pesqueiro, o engodo em excesso queima o pesqueiro, mas porque?

Penso que pelo odor forte e forma de se dissipar na água, chamando tudo e mais alguma coisa, por outro lado se no mesmo pesqueiro estiverem dois pescadores afastados a engodar forte o peixe poderá ficar confundido pelos odores.

Porque é que me adaptei a uma pesca diferente, para fugir ao problema dos pesqueiros engodados de mais que só tem bogas, salemas e cavalas (pesqueiros queimados), não gosto de pesqueiros engodados, gosto de ser eu a engodar a sentir o correr do engodo, para colocar o peixe em locais "chave" com pouca água.

A teoria do queimado parte por aqui na minha humilde opinião, mas cada um terá a sua pois na pesca verdades absolutas, tá mau...

Se me derem 10 tipos de iscas e engodo escolho a sardinha fresca ou congelada e o camarão, pela polivalencia e resultados que ambos sempre me trouxeram, até que a pesca é bastante simples o pessoal é que a complica por vezes.

;)

Abraço Pedro, é um bom tema este parabéns.

Pedro batalha disse...

Boas Rui e Fernando
Sem duvida que evito dia em que tenha havido um concurso de pesca nessa manhã.
O excesso de engodo lançado nestas provas onde se capturam muitas Tainhas, tal como vocês a meu ver dispersa os peixes.
Se isto é queimar o pesqueiro estou de acordo.
Tal como o Fernando prefiro ser eu a engodar, pois assim sei quanta quantidade foi lançada e para que sítio exacto.
A engodagem é um dos factores mais importantes em certos dias de pesca, saber utilizar as quantidades certas em determinados momentos faz a diferença entre o fracasso e o sucesso.

Abraço