Parque Marinho Luiz Saldanha

A pesca é para mim uma paixão desde de pequeno, e vejo-a como já algumas vezes referi como um "jogo".
Um jogo entre um ser pensante e um/s outro/s com instinto.
Mas só é possível se houver peixe e bom senso da nossa parte.
Até há alguns anos atrás pescava muito numa zona do Cabo Espichel, agora fechada e fazendo parte do Parque natural da Arrábida.

É um local lindo com uma paisagem de perder o fôlego, só destoando o imenso lixo deixado para trás por alguns "colegas de vício".
Quando proibiram a pesca, o 1º sentimento foi o de revolta, a falta de informação, típica dos nossos governantes faz com que por vezes nos enganemos.
A sensação geral por parte dos pescadores lúdicos é que se fizeram leis e imposições sem prepósito algum, mas como podem ver de seguida, não é o que sucede neste caso.
Para fazer este artigo desloquei-me ao ao Parque natural da Arrábida para aí tentar perceber o que realmente se faz, como se faz, e para que servem as restrições impostas.

Tenho de agradecer aos biólogos JOANA BOAVIDA, SANDRA RODRIGUES e DIOGO PAULO que trabalham no projecto BIOMARES, pelo tempo despendido por toda a amabilidade e informações cedidas.
Vou tentar sintetizar toda a informação essencial, neste artigo e depois ao longo do ano ir completando com dados cedidos pelos biólogos intervenientes.

Há uns anos atrás a pesca no Cabo Espichel era de "encher o saco", sem medidas nem limites de capturas.
Hoje concordo que algumas medidas e limite
s impostas são de facto benéficas para que de futuro continuemos a desfrutar da pesca com boas capturas.
Apesar de pensar que os profissionais, deveriam ter também regras mais exigentes.


Este clip foi feito numa zona, agora de reserva parcial onde a pesca lúdica está proibida, e hoje digo, ainda bem!!
Estes momentos fizeram parte de um tempo memorável de capturas, hoje em dia não é permitido tal excesso de peixe e temos de entender que por bem.

A pesca lúdica ainda é permitida dentro da reserva nas zonas complementares, mas creio que, se continuarem a deixar lixo ,nem aí se poderá pescar, e com razão!!!

O projecto BIOMARES
O projecto BIOMARES nasceu da ideia de ajudar a preservar e a recuperar a biodiversidade do Parque Marinho Professor Luiz Saldanha, incluído no Parque Natural da Arrábida..
Os estudos até agora realizados revelam que este Parque Marinho apresenta, do ponto de vista da conservação, aspectos extremamente interessantes e importantes a preservar.
No entanto, dada a complexidade técnica e custo financeir
o para implementar as medidas de protecção e gestão, foi necessário recorrer a fundos comunitários e co-financiamento, bem como a especialistas de universidades e centros de investigação portugueses e estrangeiros.
O projecto BIOMARES veio proporcionar os meios financeiros e técnicos necessários à implementação de infraestruturas que permitem conciliar as actividades náuticas de recreio com a conservação das áreas mais sensíveis Habitat 1170 - "Recifes" e Habitat 1110 - "Bancos de areia permanentemente cobertos por água do mar pouco profunda".
Por outro lado, também veio possibilitar a reunião e colaboração de especialistas em matéria de recuperação de habitats marinhos, de modo a que seja possível implementar no terreno as medidas técnicas de recuperação das pradarias marinhas.
Pode ver o site oficial aqui


Projecto LIFE
O Parlamento Europeu e o Conselho chegaram a acordo quanto ao instrumento de financiamento Life +, que terá um papel fundamental na implementação da rede europeia de Sítios da Natura 2000.
Para o período 2007-2013, o programa comunitário contará com quase 1,9 mil milhões de euros, dos quais 78 por cento apoiarão projectos dos vários Estados-membro.
Com este acordo, a primeira ronda de financiamento do Life + ficará disponível antes do final do ano. Ficam também desbloqueados 250 milhões de euros do orçamento da União Europeia que haviam sido afectos a este programa.
Dos 1,9 mil milhões de euros, pelo menos metade será destinado à conservação da Natureza, nomeadamente à implementação efectiva da Rede Natura 2000.
Pode ver o site oficial aqui

Projecto Rede natura 2000
Na medida em que a Rede Natura 2000 visa conservar os habitats e espécies nas suas áreas de distribuição torna-se necessário que a informação fornecida por cada Estado Membro seja homogeneizada.
Assim, foi criada uma ficha Natura 2000 a ser preenchida para cada sítio e incluída na lista nacional.
O nível de detalhe requerido é significativo mas tal facto é necessário não apenas para completar a Rede Natura 2000 mas também para servir de base a qualquer futuro debate acerca da conservação do sítio em termos de outro uso (por ex. construção de infraestruturas).
Pode ver o site oficial aqui

Tive a oportunidade de ver os meios e os apetrechos utilizados nos estudos que se estão a realizar, por ex:
Estas gaiolas que vão ser colocadas sobre as replantações de ervas com a finalidade de as proteger das Salemas que como sabemos se alimentam de ervas e algas.
Estas ervas que em tempos serviam de pradaria e bas
e para todo um ecossistema agora debilitado, são trazidas da ria formosa no Algarve onde ainda se encontram com alguma abundância.

Ou estes "bidons" em malha mosquiteira, com algumas aberturas, e que servem para serem distribuídos por diferentes locais no fundo do mar e onde é colocada uma luz para atrair alevins(peixes em estado juvenil) para a sua contagem e conhecer toda a biodiversidade existente.


Foi-me dito também que nos locais onde se avistam pescadores lúdicos com mais frequência, o fundo do mar está repleto de garrafas, latas de conserva e outros desperdícios.
"Meus amigos é por estas e outras que temos o que merecemos"

Fiquei bastante satisfeito por ver e saber que se faz realmente trabalho de campo, que de facto há pessoas interessadas e competentes nesses trabalhos.
Faço um convite a quem se deslocar ao parque natural , que vá visitar o museu oceanográfico no Portinho da Arrábida, conhecer na 1ª pessoa o projecto BIOMARES e desfrutar da magnifica paisagem que se avista desde esse local.
Abraço e até breve
Classificação:

9 Fazer comentário:

Anónimo disse...

Boas,

Quanta nostalgia.......
Quem teve o prazer de pescar nesses locais nunca mais ira esquecer os momentos que por lá passou.
Foi nesses pesqueiros que passei alguns dos momentos mais fascinantes da minha curta "carreira" de pescador. Tudo se conjugava, imensidão do mar, poder da natureza, beleza impar, peixe em quantidade e qualidade, enfim....tudo.
Também concordo com este tipo de medidas por mais que elas nos custem. É o futuro dos oceanos e das espécies que está em jogo.
Infelizmente o "pescador" continua a não ter respeito pela natureza e continua a deixar lixo nos pesqueiros e em certos casos continua a transgredir.
É bom que existam projectos como o BIOMARES (e outros) de que já me tinhas falado pessoalmente e pelo que me tinhas dito já com resultados visiveis.
Que estes projectos sejam um sucesso é o meu desejo.
Para terminar queria dar-te os parabéns por este excelente artigo que elaboras-te.....Muito Bom.

Abraço
Sérgio Tente

Anónimo disse...

Costumo pescar em Sesimbra (Forte do Cavalo) e a norte do Espichel (Praia da Foz). É rara a vez que não traga do pesqueiro o balde do engodo cheio do lixo deixado pelos outros. Ainda recentemente enviei um mail à câmara municipal de Sesimbra a sugerir que os serviços de limpeza da autarquia procedessem à recolha periódica do lixo naqueles pesqueiros mais acessíveis e frequentados. Ou será que as rochas e pedras do litoral não são parte integrante do município ? O certo é que nem se dignaram a acusar a recepção do mail. Quanto à questão das restrições impostas à pesca no parque marinho, sou da opinião que a interdição da caça submarina terá sido a medida de maior impacte na protecção dos recursos pesqueiros de baixa profundidade. Espero que haja uma vigilância adequada para fazer cumprir essa proibição. Nunca pesquei nas zonas agora interditas à pesca lúdica, pelo que a criação do parque marinho não me afectou directamente. Tenho até a sensação de que terei sido beneficiado, pois as minhas capturas são, hoje, melhores do que há alguns anos atrás. Seja como for, tiro-lhe o chapéu pela sua postura nesta matéria. O facto de se ter dirigido ao Parque natural da Arrábida “para aí tentar perceber o que realmente se faz, como se faz, e para que servem as restrições impostas” revela bem a sua elevada consciência social e ambiental. Continue a dar-nos conhecimento das suas iniciativas e pescarias neste espaço. Cá estarei para as apreciar.


Saudações cordiais,
Mário Pinho

José Gomes Torres disse...

Finalmente, parece que vai sendo do senso comum que o mar tem fundo. Há menos de um ano que tive um desentendimento com um senhor da pesca, possuidor de um blog, em que exibia pescarias das quais se devia envergonhar, ainda por cima pela posição publica que assumiu.
Que tristeza, amigos...
PRESERVAR é a palavra de ordem! Quanto mais trouxermos hoje, menos teremos amanhã, é mais que certo.
Infelizmente, tenho poucas oportunidades de fazer spinning aos robalos, restam-me as férias apenas. Tenho quase vergonha de dizer que devolvi à água mais robalos do que trouxe para casa, contando apenas com os que tinham mais de quilo. Ou mais pequenos nem entram na estatística.
Justifica fazer isto quando pesco apenas dez dias por ano???
Não tenho a menor dúvida!!! Mesmo que ao nosso lado esteja um "apanhador de peixe"! Nós fizemos a nossa parte!
Parabéns pelo seu trabalho, está simplesmente expectacular! Felizmente alguém se preocupa com os nossos peixes...
Abraço,
GT

Sena disse...

boas eu moro em sesimbra sou pescador habitual no pontão grande em sesimbra (pés de galo) gostaria que me informa-sem se o mapa do plano do popna que voces tem no site ja e o valido para 2009 e se nas areas parciais se pode pescar a cana. Aguardo a vossa resposta. boas pescarias que venha sudoeste durante uma semana inteira!!!

Pedro batalha disse...

Olá Sena
Pelo que sei não é possível a pesca lúdica nas áreas parciais.
Apenas é permitida a pesca lúdica ( com cana)nas áreas complementares.

Abraço

pcruz disse...

Pcruz.
Boas tudos nós temos sempre algo a dizer.
Ao contrario de muitos de voz conheço o fundo do mar no parque natural da arrabida como poucos, e não concordo quando dizem que são os caçadores submarinos é que estragam tudo.
Continuam a caçar a apanhar bercebes e Lapas no Parque Natural, podem comprovar junto dos Restaurantes em Sesimbra, todos tem Percebes de Sesimbra/Lapas/Cavacos etc, afinal para quem é as probuições, continuam a pescar á cana junto ao forte do Cavalo, até os proprios Guardas do Parque Natural tem o rabo Preso, Como sabem já vem com muito andamento de Peniche, eram ambos os dois Guardas das Berlengas e Farilhões e foram corridos por se portarem Bem.
Quanto ao Parque acho bem se fosse controlado e não para os conhecidos e amigos terem a actividade normal.
Custa muito mas é a realidade aos olhos de todos.
Cumprimentos
Paulo Cruz(Sesimbra)

Ricardomiau disse...

Gostaria de deixar aqui bem claro que nao podemos deixar de reparar na pedreira em sesimbra, bem pertinho do forte do cavalo, se forem ao google earth reparam na merda ke homem esta a fazer á natureza, mas como ha dinheiro envolvido,so se preocupam com os pescadores ludicos... ate parece que vamos acabar com o peixe que existe na arrabida, mas nao deixo de ver sempre barcos por la, aparelhos, etc... existe tb os barcos de arrasto que matam o peixe todo, mas nao ha problema o verdadeiro problema sao os homens que fazem caminhadas no meio da natureza para apanhar meia duzia de peixes e que ainda trazem o lixo dos outros...etc... a mim o ke me xateia profundamente é ke so keria pescar sossegado e nem isso posso pk ja existe proibiçoes para tudo e multas pesadas como se cometesse um crime... eu respeito a natureza!

Ricardomiau disse...

quero deixar bem claro que infelizmente o ser humano nao presta e nao preserva o que é dele, mas estou indignado que ainda ninguem reparou na pedreira de sesimbra, bem pertinho do forte do cavalo.. como ha dinheiro ao barulho so se preocupam com os pescadores ludicos, ate parece ke estamos a cometer algum crime... os barcos de arrasto, os aparelhos, a pesca a grande nao ha problema... o facto de estarmos com uma cana na mao e apnhar meia duzia de peixes parece ke vamos destruir alguma coisa, mas sim respeito, pk as multas sao avultadas... boas pescarias pessoal!

Anónimo disse...

Olá, sou de sesimbra e custumo ir à pesca desde tenra idade e não precisei de educação para me aperceber que é errado deixar lixo nos pesqueiros ou outro lado qualquer.
Não pude deixar de comentar algo que me frusta, que é o facto do lixo deixado por muitos animais que se acham pescadores, passam o dia na rocha a atirar lixo para o mar e a embebedar-se e gritar etc.
Como é possivel que estes trastes que se acham homens, vão carregados com lixo (muitas vezes até levando lixo desnecessário, como caixas de materiais novos, etc) os deixas no local onde estão a pescar, local que provavelmente vão voltar. Quão estupido poderá uma pessoa ser???
À cerca de 3 anos tal foi a minha irritação que por muito pouco que não empurrei um destes animais para dentro de água, um amigo meu que foi comigo nesse dia é que me aconselhou a não fazelo. mas isto vai mudar.

TOU FARTO QUE CADA VEZ VOU Á PESCA TENHA DE TRAZER O LIXO DESTES ANIMAIS.