Cana Barros Cabo Mondego Evolution 7mts

Este ano irei dar especial atenção aos materiais desenvolvidos em Portugal em especial nas vertentes de boia no mar e Achigã em águas interiores.
Neste caso a cana utilizada foi a Cabo Mondego Evolution em 6,77mts, com capacidade de levantar 5kgs.

É uma cana com acabamentos muito bem elaborados, extremidade do cabo com rosca em borracha anti deslizante.
Este modelo em 6,77mts conta com 11 passadores Fuji, bem distribuídos de forma a conseguir levantar grandes pesos sem problemas distribuindo a força a exercer.
No elemento de ponteira tem 2 passadores de correr, no 2º elemento 1 e no 3º outro passador de correr, é precisamente nestes elementos que a cana vai fazer o maior esforço em levantar pesos tendo uma ação de curvatura de 2/3.
O porta carretos é também em fuji, com capacidade de para suportar sem oscilações um carreto de tamanho 6.000. 

Este modelo está ainda disponível em 4,85 e 5,82mts com poder de levantar peixes de 4kgs.

Impressões sobre a cana:
A pesca foi feita entre os 20/25 mts de altura, num dia sem vento e com mar entre os 1,50mts e os 2mts.
Nestas condições a cana demonstrou ser de fácil manuseio, sem se notar o peso das 685grs mantendo se sempre direita.
Capaz de lançar sem dificuldade uma boia tipo pião calibrado de 30grs ( melhores performances entre as 20 e 45grs segundo fabricante ).
Como foi referido anteriormente tem uma curvatura de 2/3 curvando até ao 3 elemento a recolher em altura.
Não é uma cana de ferragem rápida mas corresponde bem ao toque, trabalhando bem nas investidas dos Sargos.
É a meu ver uma boa cana para qualquer tipo de pescador que queira ter uma vara entre os 6 e os 7mts, de pesca muito fácil e agradável sem se notar o peso das 685grs, que aguente içar peixe sem auxilio de Cesto ou Xalavar, optima para pescas com estralhos finos.
Claro está que muito mais haverá para dizer sobre o comportamento em ação de pesca. Situações de pesca ao nível do mar com ondas e rebentação ,pescas com rochas que exijam trabalho esforçado, pescas mais brutas com linhas grossas etc.
Estas situações ficarão para próximas idas quando o mar permitir e estiverem condições reunidas.

A pesca:
Não foi dia de grande sacada, as águas apesar de algo mexidas estavam um pouco verdes, com água doce misturada destes últimos dias.
Os sargos também não colaboraram, devido talvez à ultima intempérie que devastou a nossa costa.
O pesqueiro foi bem engodado com cerca de 8kgs de Sardinha moída com areia fina e um pouco de água.
Sem sentir toque nos Caranguejos e nas Batatas, todas as capturas saíram com Gamba congelada.
Fica o registo das capturas:




Materiais utilizados:
Cana: Barros Cabo Mondego Evolution
Carreto: Shimano Stradic 8000Fh
Fios: Prosargos Titanium 0,23 / 0,25
Boia: Pião calibrado 35grs
Anzois. Hayabusa Fks 130 nº 4

Abraço
Pedro Batalha 
Classificação:

9 Fazer comentário:

Francisco Belo disse...

Boa tarde!
Muito obrigado pela partilha.

ntyper disse...

Boas amigo mesmo assim ainda safas te ai uma sargalhada valente,obrigado pela partilha e divulgação do material,um grande abraço.

Pedro batalha disse...

Boas Francisco, obrigado pelo teu comentário.
Abraço

Pedro batalha disse...

Olá Nypter,
Não foi uma daquelas pescas com que nos tens presenciado com belas capturas.
Deu sim para passar um bom bocado junto ao mar, com um dia bastante agradável.
Abraço

Nuno Caçorino disse...

Fantástico Pedro ! Mesmo sem as condições propicias "com o olho bem vivo e pé ligeiro" conseguiste umas capturas . Quanto à vara em si, parece ser de "boa massa" embora não se adapte muito às pesca da altas falésias que eu e o Paulinho fazemos das alturas na costa vicentina e até mesmo no Cabo mas... isso tu já sabes . :) Abração amigo !

Pedro batalha disse...

Boas Nuno
Já falámos algumas vezes sobre uma ida aí aos mares do sul e ainda não se proporcionou...a ver se este ano a coisa se concretiza.
Tenho imensas saudades de alguns desses spots.
Quanto à cana, a ver se esta semana ainda consigo fazer umas pescas diferentes com fotos em ação de pesca.

Abraço e continuação

Anónimo disse...

Viva Pedro,

Os 685 grs da cana em 7 mtros é que me deixam preocupado...Se com a tauros de 7 mtos já me doi o braço a pescar em qualquer situação, não sei se esta será a solução alternativa a reduzir peso á cana.Estava inclinado para a Shimano speedmaster 9txx 7 talvez a mais leve do mercado mas na Galiza esta cana é mole de mais, é um suplicio levantar um peixito de kg em altura..Gosto do material Barros mas...não sei se será a solução ideal em procurar uma cana face ao avançar da idade, .
Que acha e qual a sua opinião em me aconselhar?

Abraço
Antonio Simões

Pedro batalha disse...

Olá Simões, muito boa tarde.
Desculpa só agora responder ás suas questões; Em relação á cana a barros desenvolveu a para a pesca ao nível da água ou em molhes.
A meu ver pesca bem com estralhos mais curtos na ordem dos 3mts.
Como tem uma ação semiparabólica para pesqueiros que exijam estralhos mais compridos pode tornar se mais complicado levantar algum peixe maior.
O porta carretos também está mais subido que em canas como a Taurus, este facto deve se aos pedidos do pessoal da Figueira para terem posição de pesca com os braços esticados.
Pessoalmente prefiro com porta carretoss mais recuado que facilita em muito o movimento em falésias.
Quanto a material existente no mercado...não conheço bem para aconselhar qualquer tipo de material.
Mas como referi no artigo, este fim de semana vou ver se consigo fazer uma pesca ao nível da água.
Depois logo darei a minha opinião.
grande abraço

Anónimo disse...

Vivam,a Grauvell tem a Teknos Telesargos 3000 6,7m que é excelente.É extremamente polivalente, o que me parece útil quando não dá para andar supercarregado. Tem uma ação 100-200 mas lança bem qualquer pião de 50g ou 60g. O facto de ter uma ação destas não dá para assustar, pois não a torna demasiado desconfortável. Penso que para uma versão mais +esca á boia em falésia, a troca do porta carretos tubular pode ser uma vantagem. Na minha, já experimentei adaptar-lhe uma ponteira de barba de baleia. Espectáculo, quando içamos o sargo ao peito, há que ter cuidado, pois tal é a força com que é fisgado.